Blog

Padrão de referência na indústria química

Padrão de referência na indústria química

A busca pela qualidade na compra e venda de padrão de referência pode gerar diversos questionamentos nas indústrias e laboratórios de análises, tenha sempre em mãos a certeza do que realmente precisa.

Muitos analistas diferem sobre seu conceito a respeito de padrão de referência, bem como também muitas vezes não conseguem chegar a um consenso comum do que realmente é um padrão de referência. Uma das primeiras questões que devemos avaliar é a própria interpretação da palavra “padrão”, o que é um padrão? O conceito de padrão é bastante relativo, ou seja, o padrão pode ser um gabarito, uma medida, um equipamento, etc. Entretanto o que temos de saber sobre padrões é que cada um deles possuem suas incertezas e suas próprias variações mediante condições de temperatura, pressão, armazenamento, etc.

De acordo com definições técnicas podemos definir o padrão como:

Medida materializada, instrumento de medição, material de referência ou sistema de medição destinado a definir, realizar, conservar ou reproduzir uma unidade de um ou mais valores de uma grandeza para servir como referência..

Da mesma maneira, podemos encontrar uma definição para padrão de referência:

Padrão, geralmente tendo a mais alta qualidade metrológica disponível em um dado local ou em uma dada organização, a partir do qual as medições lá executadas são derivadas.

A expressão “mais alta qualidade“ nos permite concluir que o padrão de referência é aquele no qual a interferência de outros fatores que poderiam reduzir a confiança do padrão são minimizados, garantindo assim a segurança do usuário em sua utilização.

Baseando-se nas definições citadas podemos concluir que nem sempre os padrões do Inmetro (Brasil), NIST (EUA) e PTB (Alemanha) são os padrões mais confiáveis, apenas podemos dizer que os padrões fornecidos por estes órgãos são padrões nos quais a rastreabilidade externa não é possível por falta de padrões de melhor qualidade, em outras palavras não existem outros produtos de maior confiança do que eles. Mas então, como chegar nesta condição?

Padrão de referencia na industria química

Na indústria química para que o padrão seja considerado de referência ele precisa possuir algumas características como:

  • Possuir alto grão de pureza (geralmente acima de 99,6%);
  • As substâncias devem ser de fácil obtenção, purificação, dessecação, conservação e estável;
  • Erros e desvios compensados com cálculos;
  • Rigoroso e preciso processo analítico validado, documentado e assegurado
  • Possuir rastreabilidade de medição comprovada;
  • A incerteza da calibração não pode ultrapassar a um terço da incerteza esperada para o instrumento de medição a calibrar,
  • A substância não deve ser higroscópica ou eflorescente;
  • A substância deve possuir elevado peso molecular;
  • A substância deve ser sólida.

Sendo assim antes de tomar qualquer decisão antes de exigir a compra de uma padrão para seu laboratório, não deixe de verificar as propriedades do produto desejado bem como as propriedades e análises oferecidas por cada fornecedor (fabricante), abaixo segue as principais marcas de padrões de referência oferecidas no mundo:

  • Padrões de Referência USP;
  • Padrões de Referência da Farmacopeia Brasileira (FB);
  • Padrões de Referência da Farmacopeia Britânica (BP);
  • Padrões de Referência da Farmacopeia Europeia (EP) – Padrões EDQM;
  • Padrões de Referência da Farmacopeia Japonesa (JP);
  • Padrões TRC;
  • Padrões Clearsynth;
  • Padrões LGC;
  • Padrões TLC;
  • Padrões PGS;
  • Padrões Chromadex.