O álcool Isopropílico é um dos produtos mais populares no ambiente de sala limpa, e está entre os compostos orgânicos mais comuns.  O álcool Isopropílico usado na fabricação de perfumes, são intermediários valiosos na síntese de outros compostos e estão entre os produtos químicos orgânicos mais abundantemente produzidos na indústria.

Álcool Isopropílico, o quanto você sabe sobre isso?

Como se sabe nem todas formas de álcool são criadas do mesmo jeito:

O álcool isopropílico (IPA) é amplamente aceito como uma solução essencial para manter as superfícies da sala limpa em perfeitas condições. Mas e o álcool metílico, etílico ou butílico? Por que esses tipos de álcool também não são considerados para limpeza de salas limpas?

É uma boa pergunta. No entanto, também surge outra questão: e quanto aos diferentes tipos de IPA em si?

Ao considerar um álcool para a sala limpa, pureza, consistência e eficácia são fundamentais. O álcool isopropílico (IPA) em vários níveis de concentração é considerado um desinfetante (não para esporos bacterianos), virucida, fungicida, desinfetante e um agente de remoção de resíduos eficaz amplamente usado em salas limpas e outros ambientes controlados de contaminação.

Qualquer forma de álcool – etanol, álcool butílico, metanol ou álcool propílico – é um composto formado por átomos de carbono e hidrogênio na presença de um grupo hidroxila (-OH). O número de moléculas elementares (carbono e hidrogênio) determina o tipo de álcool formado:

A vodka, por exemplo, é etanol, e é criada a partir de uma estrutura de alceno de dois átomos de carbono e seis átomos de hidrogênio para a qual um grupo -OH anexa. Isso, é claro, não deve ser confundido com o propanol usado no desinfetante para as mãos que resulta da ligação de uma estrutura de alqueno com três átomos de carbono e oito átomos de hidrogênio a um grupo -OH.

Em essência, todos são baseados no número de átomos de carbono e hidrogênio.

No entanto, dentro do conjunto IPA da família dos álcoois há um subconjunto adicional, os propanóis:

  • 1-propanol (conhecido como propan-1-ol por sua União Internacional de Puro e Nome da Química Aplicada (IUPAC)) e
  • 2-propanol (conhecido como IUPAC propan-2-ol ), o último dos quais também é conhecido como isopropanol.

Ambos os propanóis são líquidos límpidos, incolores e altamente miscíveis com um amplo espectro de utilizações. De cosméticos a produtos de saúde a um material de arte usado na pintura com tinta de álcool, os IPAs são – para salas limpas – mais conhecidos como solventes de limpeza ou integrante do programa de desinfecção rotacional para qualquer ambiente controlado.

A diferença entre propan-1-ol e propan-2-ol está essencialmente no arranjo de seus átomos e onde o grupo -OH está ligado: no propan-1-ol, ele está ligado ao átomo de carbono final, enquanto sua contraparte fixa o grupo -OH ao átomo de carbono do meio. Além disso, a estrutura do 1-propanol é linear, enquanto a do 2-propanol é ramificada. E embora possam parecer diferenças mínimas, elas têm implicações no comportamento e no uso.

De acordo com o Bode Science Center, programa da corporação europeia Hartmann AG, os propanóis são ideais para uso em desinfetantes antibacterianos por sua combinação de baixa toxicidade e alta volatilidade, combinados com rapidez de efeito.

Mas como isso funciona na análise de laboratório? O Bode Science Center oferece os seguintes dados: ‘As análises comparativas das atividades bactericidas do etanol, 1-propanol e 2-propanol mostram diferenças significativas em termos da relação entre concentração e taxas de redução. A atividade dos três álcoois foi testada com três concentrações diferentes após 5 minutos de tempo de exposição no European Suspension Test (EST). Já na concentração de teste mais baixa, os resultados demonstram a atividade bactericida mais rápida e melhor do 1-propanol. Para todas as bactérias de teste, incluindo Mycobacterium terrae , 1-propanol produz o fator de redução log 5 necessário com uma concentração de 20 por cento. Quando a concentração é aumentada para 30 por cento, o 2-propanol também atinge a redução log 5 necessária; o etanol precisa de uma concentração de 40%. Comparado com os outros dois propanóis, o etanol produz para todas as bactérias de teste uma atividade bactericida mais baixa, mas uma atividade virucida mais alta.

Para entender esses dados: a atividade bactericida em desinfetantes com uma concentração de álcool superior a 60% é aumentada pela inclusão de 1-propanol e 2-propanol e também oferece um grau de proteção virucida. Como a documentação também observa, somente no caso dos norovírus os produtos à base de etanol oferecem melhor proteção geral. Na sala limpa, as soluções de 70% são as mais comuns, pois otimizam a atividade bactericida, o custo, o odor e a taxa de evaporação. Concentrações de álcool maiores que 90% são consideradas menos eficazes, pois a água é necessária para permitir a desnaturação das proteínas.

O modo de ação letal do IPA e do etanol é alterar as proteínas e interromper a integridade da membrana. Em termos de higienização das mãos, principalmente à luz da COVID-19, os produtos que contêm etanol – álcool etílico – oferecem proteção mais eficaz contra vírus. E esse único fator, provocou uma ação por parte da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos ainda mais apropriada.

De acordo com um comunicado à imprensa, a agência ‘colocou todos os desinfetantes para as mãos à base de álcool vindos do México em um alerta de importação nacional para ajudar a impedir que produtos que pareçam violados entrem nos Estados Unidos até que seja capaz de revisar a segurança dos produtos. Em um movimento para proteger os consumidores, muitos dos quais estão confusos sobre os diferentes tipos e potências dos álcoois atualmente em discussão, o FDA está examinando as importações de produtos sanitizantes para a inclusão de metanol, em oposição ao etanol.

No website do FDA consta a seguinte informação: ‘No decorrer da pandemia em andamento, a agência observou um aumento acentuado em produtos desinfetantes para as mãos vindos do México que foram rotulados como contendo etanol […], mas tiveram resultados positivos para altos níveis de contaminação por metanol. O metanol, ou álcool de madeira, é uma substância que pode ser tóxica quando absorvida pela pele e potencialmente fatal quando ingerida. O metanol não é um ingrediente ativo aceitável em desinfetantes para as mãos ou outras drogas. ”

O FDA emitiu ao todo 14 cartas de advertência desde julho de 2020 para a distribuição de desinfetante para as mãos com metanol não declarado, teor de etanol inadequado, alegações enganosas – incluindo declarar incorretamente a aprovação do FDA – e práticas de fabricação inadequadas.

É evidente que, o tipo e a concentração de álcool, a formulação e a natureza do produto são fatores críticos que determinam a eficácia dos desinfetantes para as mãos. No entanto, é importante notar que, se fabricado nos níveis adequados e corretamente rotulado, o etanol é misturado com adulterantes de baixo nível, como o metanol – para torná-lo impróprio para consumo humano – é perfeitamente adequado para uso em sala limpa.

Não é exagero considerar que é importante ter uma abordagem sensata de limpeza e desinfecção com álcoois. Existem muitas variações disponíveis no mercado e é importante entender que existem prós e contras para cada uma. Embora políticas e procedimentos que minimizem o risco de contaminação devam sempre ser empregados, vale lembrar que o uso de álcoois tem suas limitações. Por exemplo, a maioria não é considerada esporicida. De acordo com o CDC, ‘os álcoois não são recomendados para esterilizar materiais médicos e cirúrgicos, principalmente porque não têm ação esporicida e não podem penetrar em materiais ricos em proteínas’.

Um dos benefícios exclusivos do IPA é o tempo de secagem rápido e a ausência de resíduos remanescentes na superfície, no entanto, a rápida taxa de evaporação também resulta em um tempo de contato limitado, reduzindo sua atividade bactericida. A inflamabilidade – tanto líquidos como vapores – é uma preocupação e um risco. São necessários armazenamento e ventilação adequados em condições ideais. O espaço para líquidos inflamáveis ​​é geralmente limitado na sala limpa e nas áreas de armazenamento controladas ao redor, portanto, é recomendável manter em mãos apenas o que é necessário e armazenar com segurança de acordo com as diretrizes da OSHA, EPA e NFPA.

A compatibilidade da superfície é outro fator que deve ser levado em consideração

Antes que as soluções IPA sejam usadas para limpar, enxaguar ou higienizar superfícies duras, certifique-se de que o material da superfície resista à exposição repetida ao IPA. Borrachas ou vedações podem endurecer e materiais transparentes, como policarbonatos, podem embaçar ou rachar quando expostos ao IPA. Por último e mais importante é o risco de exposição humana aos vapores do álcool, muitas vezes resultando em leve irritação dos olhos, nariz e garganta. O limite de exposição permissível OSHA (PEL) para álcool isopropílico é 400 ppm e etanol TLV é 1000 ppm com base em um TWA de 8 h.

Conforme observado, nem todas as formas de álcool e produtos relacionados que os contêm são criados iguais: o álcool isopropílico (IPA) é amplamente aceito como uma solução essencial para a limpeza e desinfecção de salas limpas do meio ambiente. Compreender a anatomia dos álcoois; seus usos, riscos e funções um programa de limpeza rigoroso no esforço de controle de contaminação é uma maneira de melhorar imediatamente a qualidade das operações e minimizar o risco de entrega de um produto contaminado.

Etanol, metanol, butanol, álcool isopropílico … esperamos que esse artigo tenha esclarecido as duvidas sobre esses materiais e seu uso na desinfecção de sala limpa. Entre em contato com a CMS Científica para conhecer a linha de produtos da Texwipe para sala limpa.